Paran√° vai produzir 1,25 bilhão de litros de etanol na atual safra, aponta boletim

Por Jornal Cianoticias em 11/04/2024 às 16:50:58
Foto: José Fernando Ogura/Arquivo AEN

Foto: José Fernando Ogura/Arquivo AEN

A produção de etanol no Brasil poder√° ultrapassar 34 bilhões de litros na safra 2023/24, a maior parte (82%) oriunda da cana-de-açúcar, embora a produção a partir do milho esteja em crescimento. O Paran√° responde por 1,25 bilhão de litros na safra atual, mas com tend√™ncia a aumentar.

Essa é uma das informações que estão no Boletim de Conjuntura Agropecu√°ria referente à semana de 5 a 11 de abril. O documento é preparado pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

A produção de etanol brasileira est√° concentrada principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Maior produtor, São Paulo responde por 36% do total.

A perspectiva de crescimento para a fonte prim√°ria do milho é observada nos números. Na safra 2020/21 ele representava apenas 9% da produção total de etanol, ou 2,7 bilhões de litros. Agora a previsão é de 18%, o que se traduz em um salto de 125% em apenas quatro anos, passando a 6,1 bilhões de litros. Nesse segmento o destaque é Mato Grosso, com 73% de participação.

MILHO – Com relação ao milho paranaense, o que se observou foi uma piora nas condições de lavoura da segunda safra 2023/24. H√° 15 dias, dos 2,4 milhões de hectares plantados, 86% tinham condição boa no campo. Agora o percentual caiu para 72%. De outro lado, a √°rea em condição ruim cresceu de 2% para 8%, enquanto a situação mediana se verifica em 20%.

CAQUI – O boletim traça ainda um panorama sobre a produção de caqui, que em 2022 foi cultivado em 7,8 mil hectares no Brasil, constituindo-se na 20¬™ fruta em √°rea e a 19¬™ em volumes colhidos (164,4 mil toneladas), de acordo com o IBGE. O Valor Bruto de Produção (VBP) alcançou R$ 428,7 milhões.

A fruta é explorada em oito unidades da Federação, com liderança de São Paulo (47,1%), Rio Grande do Sul (26,5%) e Minas Gerais (11,4%). O Paran√° responde por 4,6%. Segundo o Deral, em 2022 foram produzidas 6,8 mil toneladas em 494 hectares, com VBP de R$ 22,4 milhões.

MEL – O documento apresenta também os dados do Agrostat, plataforma do Ministério da Agricultura e Pecu√°ria, sobre as exportações de mel natural no primeiro bimestre de 2024. O Paran√° ocupa a oitava posição, com receita de pouco mais de US$ 447 mil para 208 toneladas exportadas, e preço médio de US$ 1,70 por quilo.

No ano passado, no mesmo período, o Paran√° havia exportado 163 toneladas, mas teve receita de US$ 624,5 mil, resultado de um preço médio bem mais elevado, ficando em US$ 3,83 por quilo. No Brasil, o volume exportado nos dois primeiros meses de 2024 foi de 3.874 toneladas para receita de US$ 9,9 milhões.

FRANGO – O boletim analisa também a relação entre preço do frango pago ao produtor e os principais insumos de criação. Em março o valor nominal médio do frango vivo atingiu R$ 4,53 o quilo. Com isso foram necess√°rios 208 quilos de frango para adquirir uma tonelada de milho. Em março de 2023 a relação era de 282 quilos. De farelo de soja eram necess√°rios 586 quilos no ano passado, agora 436 quilos foram suficientes.

TABACO – O documento comenta ainda o término da colheita de tabaco no Paran√°. Foram produzidas 144,4 mil toneladas, o que corresponde à redução de 16% comparativamente às 172 mil toneladas do ciclo anterior, ainda que a √°rea cultivada tivesse passado de 72 para 74,6 mil hectares.

Os motivos da queda são principalmente a falta de luminosidade em outubro e novembro, o que prejudicou o desenvolvimento vegetativo, e o encharcamento de √°reas, dificultando o enraizamento das plantas e provocando perda total em algumas localidades.

Fonte: AEN PARAN√Ā

Comunicar erro
banner 728X90 UP AGENCY

Coment√°rios